icons8-instagram.png
icons8-facebook.png
   

CONVERSA ENTRE A ILUSTRADORA ANNA CUNHA E O DESIGNER GUSTAVO PIQUEIRA DEBATE O ENCONTRO ENTRE A IMAGEM E A PALAVRA NA LITERATURA

 

Mesa “Literatura (também) visual: encontro entre a palavra, design e ilustração” – Foto: Maíra Cabral

A leitura e a escrita dependem da palavra? Se o objetivo da literatura é a narrativa, ela pode utilizar estratégias não textuais para contar uma história? Na mesa “Literatura (também) visual: encontro entre a palavra, design e ilustração”, Gustavo Piqueira, autor de livros que misturam livremente texto, imagem, design e história, e Anna Cunha, ilustradora mineira que assina mais de 20 títulos de diferentes projetos, discutiram o papel da ilustração e do design na renovação da linguagem narrativa.

Com mediação da mestranda em Edição, Linguagem e Tecnologia pelo CEFET Samara Coutinho, os autores mostraram durante o bate-papo como a perspectiva de restringir a literatura ao texto pode ser reducionista. Ao apresentar seus trabalhos autorais, Gustavo Piqueiradestacou que a escrita é apenas uma das formas de comunicar ideias. “Existe uma visão conservadora que diz que abandonar o desenho e seguir para a linguagem escrita é evolução, mas a linguagem visual também é escrita. Tudo que tem o objetivo de comunicar algo é, de certa forma, escrito”, comenta o autor.

Anna Cunha partilha da opinião de Gustavo Piqueira, destacando que a existem outras formas de escrever além do texto. “A ilustração, por exemplo, pode ser um suporte poético do cotidiano e uma forma de dialogar com as pessoas de uma forma tão íntima quanto à escrita”, ressalta  artista que mostrou, com exemplos de seus trabalhos, como uma história pode ser contada através de imagens. “Um texto não precisa da presença da palavra para se construir e as narrativas não precisam se encaixar em uma só categoria para serem consideradas literatura”.